A NOS percorreu um longo caminho desde a fusão em 2013, que juntou com um sucesso ímpar duas organizações com culturas e legados operacionais muito diferentes, ao mesmo tempo que competia num dos mercados mais avançados e altamente desenvolvidos de telecomunicações no mundo. Após um período de forte crescimento nas receitas e ganhos de quotas de mercado muito significativos, motivados pela adoção acelerada das ofertas convergentes no mercado residencial, que nos permitiram superar a nossa meta original de 30% de quota de mercado bem antes do prazo inicialmente previsto, o nosso foco hoje é consolidar a nossa posição como empresa líder em entretenimento e comunicações em Portugal. Estamos a alavancar a combinação exclusiva de ativos de telecomunicações e audiovisuais que temos, ao mesmo tempo em que transformamos profundamente os nossos negócios para nos tornarmos uma organização mais centrada do cliente, operacionalmente ajustada e digitalmente capacitada, procurando criar valor duradouro para os nossos acionistas.

Os nossos resultados em 2018 refletem esta direção estratégica. Fortalecemos a nossa posição competitiva em todos os segmentos, com crescimento sólido de RGUs, num mercado que já é altamente penetrado. O crescimento incremental de serviços foi liderado pela cobertura adicional de rede greenfield, a captação continuada, embora menor, de soluções convergentes e pela melhoria sustentada dos níveis de churn. Apesar da desaceleração da atividade comercial em comparação com os anos anteriores e da estabilidade de preços durante 2018, a receita aumentou cerca de 1%, para 1.576 milhões de euros e, através de uma gestão disciplinada de custos e foco em eficiência, o EBITDA aumentou quase 3%, para 592 milhões de euros.

O investimento que estamos a fazer em programas estratégicos de transformação tecnológica e operacional é uma alavanca crítica no reforço da nossa posição competitiva atual e de longo prazo. No último ano, continuámos a investir na modernização da nossa rede móvel para uma arquitetura single RAN, pronta para o 5G, tendo renovado mais de 70% dos sites planeados. A conclusão deste projeto, a acontecer durante o ano de 2019, tornará a nossa rede móvel a rede tecnologicamente mais avançada em Portugal, potenciando os mais avançados e eficientes recursos e funcionalidades de banda larga de nova geração. Durante o segundo semestre do ano, iniciámos o processo de troca das primeiras residências FttH no contexto do nosso contrato de partilha de rede, ampliando ainda mais a nossa cobertura greenfield com tecnologia de acesso de nova geração e complementando a nossa rede Docsis 3.1 totalmente atualizada, o que já nos permite disponibilizar velocidades Gigabit em todo o país.

O último ano também marcou o lançamento da primeira das três fases do nosso programa de transformação operacional, criado para repensar e redesenhar a forma como interagimos com os nossos clientes a todos os níveis da organização, sempre com a ambição de oferecer excelência na experiência de cliente e ser o operador de eleição dos portugueses. Os projetos implementados são transversais a toda a empresa, são executados por pessoas internas e definem as bases para uma empresa mais ajustada e mais digital, guiada por processos mais simples e orientados para o cliente e em novas formas de trabalhar. O valor a capturar com este programa começará a acelerar assim que todas as três fases de projetos estiverem em execução, e será traduzido em métricas de liderança na experiência de cliente e poupanças significativas, quer ao nível operacional, quer nos investimentos relacionados com o cliente.

A nossa contínua e sustentada melhoria na rentabilidade operacional e no FCF, a força da nossa estrutura de capital e nosso posicionamento competitivo de liderança, são a base para criação de valor de longo prazo e retorno contínuo e atrativo para os acionistas. Neste contexto positivo, o Conselho de Administração propôs novamente um aumento no pagamento de dividendos este ano para 35 cêntimos, representando um crescimento de 17% em relação ao último ano, o que demonstra a confiança no nosso momentum operacional e financeiro.

A Sustentabilidade é uma prioridade estratégica e orientações que adotamos e relatamos, alinhadas com o referencial GRI -Global Reporting Initiative, são partilhadas com a organização. Estamos convictos da importância de agir de forma responsável para assegurar a competitividade a longo prazo, incluindo o papel do nosso setor de atividade para o futuro sustentável da sociedade. Continuamos comprometidos com os dez Princípios do Global Compact e em contribuir para a concretização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

Estou confiante de que a NOS está hoje bem preparada para enfrentar os desafios a longo prazo do nosso setor e as expectativas sempre em evolução e legítimas dos nossos clientes. Os bons resultados que continuamos a alcançar permitem-nos encarar o futuro com otimismo e sei que temos a melhor equipa e os melhores ativos, para ter sucesso na ambição sermos a empresa líder em entretenimento e telecomunicações em Portugal, continuando a aumentar valor gerado para os nossos clientes, colaboradores, acionistas e outros stakeholders.

Miguel Almeida