Nómadas digitais juntam o trabalho ao turismo e a Madeira é o seu paraíso
cibersegurança

Nómadas digitais juntam o trabalho ao turismo e a Madeira é o seu paraíso

Com um computador e ligação à internet assegurada, os nómadas digitais viajam enquanto trabalham para o outro lado do mundo.

14 de abril 2022

Um computador ligado ao mundo, um lugar com uma vista de sonho a servir de escritório e um mergulho ao fim do dia para relaxar. Este é o estilo de vida de um nómada digital, trabalhadores remotos que viajam e se estabelecem em diferentes pontos do mundo, tendo apenas como requisito necessário uma boa ligação à rede.

Um cowork onde não falta nada

Elina Mattila deixou a Finlândia para trabalhar pelo mundo há três anos. Desde então só regressou em férias, para visitar a família. Para a tradutora e bloguer de viagens, ter um espaço dedicado ao trabalho ajuda a replicar uma rotina, que é bem vinda quando se está há tanto tempo a viver de cidade em cidade.

“Já trabalhei em sítios muito estranhos, incluindo o topo de montanhas. Quando comecei esta vida de nómada digital, atravessei os Balcãs a pé, carreguei o meu computador todo o caminho. Ninguém de facto trabalha com os pés na piscina. Ficaríamos muito assustados com a ideia de deixar o portátil cair na água”, conta.

Foi na criação de um espaço com esse propósito — e com todas as condições para o teletrabalho — que a Madeira apostou, criando um projeto piloto para atrair nómadas digitais. O Digital Nomads Madeira Island arrancou no final de 2020, com o apoio do Governo Regional da Madeira, da Start Up Madeira e da NOS. O investimento inicial foi de 25 mil euros que serviram para requalificar e equipar o Centro Cultural John dos Passos, na Ponta do Sol, com internet rápida e segura. O cowork é gratuito e qualquer nómada digital pode lá trabalhar — basta estar inscrito e aparecer.

Depois do arranque, tudo aconteceu organicamente. A Madeira tornou-se conhecida em redes sociais, sites e grupos online de nómadas digitais e as inscrições foram aumentando.

Viver em comunidade

“A comunidade é a razão mais importante que me leva a qualquer sítio. Para mim é uma prioridade quando estou a escolher o sítio para onde vou a seguir. É também por isso que estes espaços de cowork são muito motivantes: consigo ir trabalhar todos os dias ao lado dos meus amigos e das pessoas que conheço. Se tento trabalhar em casa sozinha é muito difícil”, resume Elina.

A ligação entre aqueles que chegam à Ponta do Sol e a comunidade local é apontada frequentemente como um fator que tem distinguido este destino de outros, como Bali, na Indonésia, ou Chiang Mai, na Tailândia. Na Ponta do Sol, tudo está a escassos minutos a pé e todos se vão conhecendo.

Foi este ambiente social e a segurança em tempos de pandemia que mudaram as ideias de Nico Burkat, que queria, a princípio, ir para Bali ou para a Malásia. “Procurei comunidades de nómadas digitais na Europa, porque é bastante segura em termos de covid. Encontrei a Start Up Madeira, entrei no seu grupo online e foi por isso que decidi vir para cá. A comunidade é muito ativa e não consegui encontrar nenhum outro sítio comparável”, recorda.

Esta está a ser a sua primeira experiência como web developer remoto, fora do seu país de origem, a Alemanha, mas não se deixa deslumbrar com a possibilidade de ter paisagens maravilhosas como cenário do seu trabalho. Prefere, tal como Elina, manter cada coisa no seu lugar: começa às 9h no cowork e termina o dia às 17h. Tudo o que é lazer está fora desse horário. “Por exemplo, esta manhã fomos assistir ao nascer do sol das montanhas e voltámos para aqui para trabalhar”, conta, no terraço do Centro Cultural John dos Passos. “Este é o estilo de vida de que gosto e que torna a vida divertida. Não poderia fazer isso em casa, na Alemanha.”

Equilíbrio entre trabalho e lazer

A dois minutos a pé dali, está a casa onde vivem Nico e outros nómadas digitais. Referem-se a ela como coliving: uma vivenda arrendada ao quarto, com espaços comuns. É uma prova de como a comunidade local se adaptou para os acolher — criando sistemas de arrendamento mais duradouros.

Nesta casa vive também Artem Tymchenko, web developer vindo de Kiev, onde “o inverno é bastante miserável”. Na Ponta do Sol, não sofre com poucas horas de luz, frio e chuvas constantes, mesmo numa estação fria. “Sou muito mais feliz diariamente, não perco tempo nas viagens para o trabalho ou para o ginásio, ir ter com amigos ou a um restaurante. É tão simples e fácil que consigo concentrar-me mais no trabalho, ser produtivo e manter o equilíbrio certo entre o trabalho e a vida. É melhor.”

Há uns meses, Artem não sabia muito sobre a Madeira — exceto que é aqui a terra natal de Cristiano Ronaldo. Hoje já explorou toda a ilha, faz da vista do oceano o seu cenário de trabalho e participa nos workshops, aulas de fitness e yoga organizadas informalmente pela comunidade de nómadas digitais. “Depois das 16h posso fazer o que quiser. Normalmente vamos à praia ou vamos a um treino de fitness. À noite há uns quantos eventos, saímos, bebemos uns copos, conversamos. Aos fins-de-semana podemos fazer caminhadas ou ter um dia na praia. É um bom equilíbrio”, conclui Artem.

Para já, para estes três trabalhadores remotos é bom estar aqui. Mas o futuro não é ficar: as suas jornadas continuam, só dois requisitos continuarão a ser indispensáveis: “Um computador e uma ligação à internet. Isso são os básicos. Além disso, o que é mesmo importante é uma boa comunidade e bom tempo”, diz Elina Mattila. Com isto, a qualidade de vida e o tempo para novas experiências estão presentes no dia a dia e todo o mundo pode ser um local de trabalho.

Share this

Artigos Relacionados

  • Cloud Pública para tornar global qualquer negócio

    Guia de bolso 5G

    Cloud Pública para tornar global qualquer negócio

    A migração das empresas para a cloud é um passo seguro na transformação digital. Com a cloud pública, as sinergias reduzem custos, reforçam a segurança e melhoram as operações.

  • Eurekathon 2021: Desafiar os dados a tornar as cidades sustentáveis

    Luis Neves GESI

    Eurekathon 2021: Desafiar os dados a tornar as cidades sustentáveis

    É na mente livre das novas gerações que a inovação mais fervilha, só precisa do desafio certo.

  • Meu Super: como as redes inteligentes estão a transformar as empresas

    Luis Neves GESI

    Meu Super: como as redes inteligentes estão a transformar as empresas

    A transição digital é imparável, continua a crescer em vários setores da economia e, no retalho, já começou.