5G Portugal: É tempo de apoiar melhor as startups

Gabriel Coimbra, vice-presidente da consultora IDC, vê no 5G inúmeras oportunidades para startups: “Vai trazer novos modelos de negócio, disruptivos, que não existiam antes”. Há mais de 2.000 startups em Portugal.

22 de setembro 2021

“O 5G vai ser fundamental naquilo que serão as disrupções nos próximos anos e as startups têm de olhar para o tema como uma alavanca para conseguirem desenvolver novos modelos de negócio”, refere Gabriel Coimbra. Para o vice-presidente da consultora internacional IDC, é tempo de fazer mais, de inovar, “é uma oportunidade enorme, não só ao nível da tecnologia, mas também para a criação de startups que desenvolvam modelos de negócio disruptivos nos vários sectores da nossa economia”.

Gabriel Coimbra destaca que a quinta geração móvel “vem permitir conectar coisas que não estavam conectadas no passado”, pelo que abre oportunidades para transformar qualquer área de negócio, qualquer sector da sociedade. O responsável da IDC destaca “não só os transportes, não só a saúde, não só a educação, não só a administração pública, mas todos aqueles outros sectores que se calhar são menos evidentes”, e que têm agora a oportunidade de inovar, de investir e até de inspirar os outros.

Para a IDC, é tempo de ter 5G em Portugal

O que falta, então? “O ideal era que já tivéssemos o 5G disponível, porque vai acelerar o desenvolvimento de novos negócios”, refere o também country manager da IDC Portugal. A consultora preparou um relatório preliminar sobre as startups em Portugal, que mostra um desenvolvimento acima da maioria dos países europeus. No entanto, faltam as vantagens do 5G para impulsionar ainda mais esse crescimento. “Vemos algumas startups que já estão atentas e a pensar como é que podem desenvolver os seus negócios com base na tecnologia 5G”, explica Gabriel Coimbra, “mas se ela já estivesse disponível, de facto aceleraria imenso o desenvolvimento do nosso mercado”. Gabriel Coimbra vê a conectividade 5G como “uma urgência” a todos os níveis: “Para a nossa sociedade, para a nossa economia e principalmente para as startups”.

" “O ideal era que já tivéssemos o 5G disponível, porque isso vai acelerar o desenvolvimento de novos negócios”. Gabriel Coimbra, vice-presidente da IDC

De acordo com o especialista, fundos de investimento como o Fundo NOS 5G e programas como o Acelerador 5G são fundamentais para as startups: “Por um lado têm uma componente de capital, importante para o desenvolvimento do nosso ecossistema, e depois uma outra componente que é o foco numa área de grande disrupção, de grande potencial de crescimento que é o 5G”. Permitem às empresas ter um primeiro contacto com a tecnologia, compreender melhor como a podem aproveitar para as suas ideias, para investir, fazer melhor e inovar na sua proposta de valor.

Conheça melhor o Fundo NOS e o Acelerador 5G neste artigo:  5G: 10 milhões para transformar Portugal

Para os empreendedores aproveitarem o potencial da tecnologia e criarem produtos disruptivos “é preciso um conhecimento do negócio, saber quais são os desafios”, lembra Gabriel Coimbra. Fundos e programas de aceleração também mostram que, para transformar a sociedade, é importante encontrar o parceiro certo, partilhar as melhores ideias, juntar o talento e a ambição que fazem o país avançar. “É criar modelos que possam vingar, que possam fazer com que uma startup cresça, vire uma empresa competitiva, um unicórnio, e ganhe relevância a nível global”, continua o responsável da IDC.



Investir em quem inova, um objetivo constante da NOS

O primeiro destinatário do Fundo NOS 5G já foi encontrado, com a startup Reckon.ai a angariar 1,5 milhões de euros numa ronda de investimento seed. A tecnológica do Porto desenvolve soluções de Inteligência Artificial e visão computacional para facilitar os processos de compra e venda na área do retalho, com expositores e prateleiras inteligentes. Ao Fundo NOS 5G, gerido pela Armilar Venture Partners, juntaram-se a Portugal Ventures, a Bright Pixel e a WiseNext.

" É tempo de fazer. E o Fundo NOS 5G já fez o seu primeiro investimento, na startup portuense Reckon.ai, que se dedica à Inteligência Artificial na área do retalho

A aposta do Fundo NOS 5G é apenas uma pequena parte de todo o investimento em Investigação e Desenvolvimento (I&D) da NOS. Em 2020, com mais de 67 milhões de euros aplicados, a NOS voltou a ser a empresa portuguesa que mais investiu em I&D, segundo dados oficiais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Com 226 pessoas dedicadas às áreas de Inovação, em 2020 a NOS investiu essencialmente nos temas 5G, Transformação Digital e Cidades Inteligentes.

5G Empresas: Ecossistema de startups a crescer

No seu mais recente relatório preliminar, a IDC Portugal identificou 2.159 startups no final de 2020, 13% acima, per capita, dos restantes países europeus. O estudo preliminar Ecossistema de Startups e Empreendedorismo destaca ainda Portugal como o 1.º em qualidade de vida; o 2.º para investimento direto estrangeiro e o 3.º na segurança. “Já temos um ecossistema bem composto”, afirma Gabriel Coimbra, lembrando que as startups estão “distribuídas de uma forma muito equilibrada por várias regiões e pelos vários tipos de negócio, desde startups tecnológicas, fintech, focadas no sector da educação, na sustentabilidade”.

“Os pilares, aquilo que compõe o ecossistema, desde o capital, passando pelo talento, pelas políticas, pelos incentivos e pela relação com o mercado corporativo, têm-se desenvolvido muito nos últimos anos” continua Gabriel Coimbra, que destaca também “um crescimento no número de profissionais que saem das universidades, muito bem posicionadas nos rankings internacionais. São dezenas de milhares de profissionais na área da ciência e da tecnologia”. Tudo isto “traz uma dinâmica muito interessante para as startups hoje conseguirem iniciar o seu negócio em Portugal”.

O country manager da IDC lembra também o aparecimento de cada vez mais incubadoras, programas de aceleração e outros incentivos: “Temos o StartUP Voucher, o StartUP Visa, temos o 200M, temos o E-Residency 2.0 e uma série de outras políticas que estimulam e aceleram o desenvolvimento desse ecossistema”. Apesar de haver “um longo caminho a percorrer”, Gabriel Coimbra acredita que “hoje já estamos posicionados com um ecossistema de grande potencial para receber os empreendedores que queiram desenvolver o seu negócio em Portugal”.

" “Segundo Gabriel Coimbra, “hoje já estamos posicionados com um ecossistema de grande potencial para receber os empreendedores em Portugal”

De acordo o relatório preliminar da IDC Portugal, as startups em território nacional têm em média 9 trabalhadores e 75% estão focadas em B2B (serviços e projetos voltados para empresas). Num sector muito masculino, as startups portuguesas reforçam ainda mais essa diferença: apenas 5,1% de mulheres, contra 17,2% a nível europeu. Por outro lado, as startups portuguesas são mais jovens do que noutros países: 18% estão ainda a começar, 52% já em operação, e 26% numa fase de crescimento. Na Europa, só 13% estão no início, 47% estão na fase startup, e 34% já crescem.

A internacionalização, para Gabriel Coimbra, é fundamental para o caminho das startups: “Portugal está a atrair empreendedores estrangeiros e os próprios empreendedores nacionais também estão a criar empresas viradas para fora, empresas globais”. Num país que já produziu quatro unicórnios - Farfetch, Outsystems, Talkdesk e Feedzai - e tem outras cinco startups bem posicionadas para ultrapassar uma avaliação de mil milhões, as perspetivas são boas e a conectividade 5G só pode melhorar os indicadores que já destacam Portugal como um destino tecnológico.

É tempo de apoiar todo esse talento, juntar os parceiros certos e inovar, transformar, inspirar. As startups representam o que de melhor um sector, um país, tem para oferecer, para uma sociedade mais preparada, desenvolvida. É tempo de fazer.

Share this

Artigos Relacionados

  • NOS transforma o Hospital da Luz no primeiro Hospital 5G de Portugal

    hospital 5G

    NOS transforma o Hospital da Luz no primeiro Hospital 5G de Portugal

    A parceria entre a NOS e o Grupo Luz Saúde vai transformar os cuidados de saúde no nosso país

  • Tecnologia 5G para um futuro mais sustentável

    Luis Neves GESI

    Tecnologia 5G para um futuro mais sustentável

    A tecnologia está ligada à “melhoria das condições de vida”, afirma Luís Neves, CEO do GeSI, e acredita que “o 5G vai ser fundamental para que Portugal avance ainda mais”.

  • Gerd Leonhard: "Estou muito entusiasmado com o 5G."

    Gerd Leonhard

    Gerd Leonhard: "Estou muito entusiasmado com o 5G."

    O conhecido futurista alemão acredita que “a lista de oportunidades do 5G tem milhas de comprimento” e que podemos resolver os principais problemas do mundo com tecnologia.